UCA

Laptop a manivelaAntes de qualquer outra coisa, principalmente das pedradas dos defensores, digo, torcedores do OLPC (One Laptop per Child), o nosso UCA (Um Computador por Aluno), quero dizer que não sou contrário à idéia do Negroponte e do pessoal do MIT. Sou defensor ferrenho da inclusão digital e da socialização do conhecimento.

Feita a introdução de defesa prévia, ainda estou “voando”, sem conseguir entender a nota lida hoje no Caderno de Informática da Folha de São Paulo a respeito de “segredos” do UCA, que foram discutidos no FISL 8.0 que aconteceu em Porto Alegre semana passada. Vamos ao texto publicado:

Alguns detalhes do projeto One Laptop per Child (www.laptop.org), o notebook para crianças de países pobres, não podem ser divulgadas pois os seus desenvolvedores temem que os preços dos componentes e dos serviços aumentem, caso o interesse por certas tecnologias torne-se público.”

Em toda a minha vida profissional e nos recentes estudos de macro e microeconomia no curso de Administração, imaginava que se fosse produzir um produto que terá um mercado de algumas dezenas de milhões de unidades, certamente terei um poder de barganha de preço com meus fornecedores, inimaginável. A minha pobre cabecinha não teve a flexibilidade necessária para entender o postulado e o segredo.

Tenho algumas preocupações sérias a respeito desse projeto no Brasil. A primeira e maior preocupação é ele não estar inserido em um projeto maior que contemple a preparação e aumento da qualificação e remuneração de professores. Aqui no Brasil, os ratos estão sempre a espreita de uma oportunidade de grandes vendas para o governo, independente se isso servirá para o bem da população ou se prestará só para a comissão deles.

Me preocupa o projeto não estar sendo discutido mais aberta e publicamente. Por que não obrigar que a produção dos nossos Uquinhas seja feita aqui mesmo? Com nossa mão-de-obra e o máximo de nacionalização. Será que alguma de nossas universidades não teria capacitação para desenvolver projeto semelhante, mesmo com um atraso de alguns meses? Será que os fornecedores tradicionais de hardware não fariam uma contraproposta que pudesse ser interessante?

Por fim, por que o OLPC é um computador para crianças de países pobres somente? Pobres existem até em países mais ricos. Ou será que o OLPC é um business para países onde os controles com gastos públicos são mais frouxos e ineficientes? Cheguei ao final do texto e ainda não consegui entender o grande segredo do preço. Aguardo ajuda nos comentários.

Você gostaria de receber as atualizações do Pô, meu! por e-mail? Clique aqui.

1 Comment

  • Jason disse:

    I love OLPC, too. It is ahead of the competition (Intel and others).

    Comentário do Pô, meu!
    Caro Jason,
    Tenho certeza que você não entendeu o artigo, assim como não vai entender essa resposta. Tu tá viajando na maionese ou a idéia é levar visitantes para o seu site? Ah sim, desculpe ter tirado o link para a sua propaganda. Se pelo menos seu email fosse verdadeiro, eu deixaria a propaganda. Afinal, o espaço é livre para a discussão, mas quem manda aqui ainda sou eu pô.
    Obrigado e volte sempre. ;-)
    Abraços,
    Nelson

Deixe uma resposta